Ciúme: como identificar esta emoção que aflige tantas pessoas

ciúme - como identificar esta emoção que aflige tantas pessoas

Muitas pessoas acreditam que o ciúme é uma forma saudável de demonstrar amor a outra pessoa. Mas isso é um ledo engano, que pode chegar a destruir um relacionamento. E aí vem a pergunta: como identificar esta emoção que aflige tantas pessoas?

Não é uma tarefa fácil admitir a si mesmo que possuir esta condição mexe e muito com a autoestima. Pois, perceber isso é também assumir que é inseguro em relação a alguém se aproxima de seu companheiro ou companheira.

Amor e ciúme não podem andar juntos

É muito comum os casais ou uma parte do casal pensar que quando o outro demonstra ciúme é algo bom. Amor e ciúme não é uma boa combinação. Não é porque a pessoa demonstra este sentimento que ela ama muito seu companheiro (a).

É preciso ter em mente que quando você ama alguém, que quer o bem dela. E não porque você demonstra amor por ela, que a outra parte envolvida tem que demonstrar o mesmo como uma forma de obrigação. É querer o bem do outro, independente de qualquer coisa.

Pois, ter ciúme em excesso é prejudicial e não é uma boa companhia e não acrescenta nada à vida de ninguém.

Mas afinal de contas, o que é ter ciúme de alguém?

Quando uma pessoa se sente ameaçada pela presença de outra que interage com seu parceiro ou parceira. Isso é estar com ciúme. Pois, temos medo que esta pessoa se aproxime a tal ponto de quem amamos e tirá-la de nós. Simplesmente, é o medo de perder alguém.

Quando estamos neste estado, criamos diversas possibilidades em nossa mente que sequer existem. Simplesmente, é criado um triângulo ‘amoroso’ em nossa cabeça, onde nosso parceiro (a) interage com esta outra pessoa. Há ainda o achismo de que eles ficarão juntos, e ainda cria-se a sensação de que está sendo traído (a). Por fim, a pessoa fica encontrando outras razões do próprio relacionamento que dá a sensação de que está indo Poá água abaixo. Isso influencia diretamente no ego da pessoa e faz com que ela se magoe e se irrite muito com toda essa situação.

A imaginação de que o rival é melhor

Uma pessoa ciumenta é capaz de pensar que o rival que se aproxima de seu ‘amor’ é melhor do que ela. Há um sentimento de baixa autoestima e de criar pensamentos ruins.

De acordo com o artigo ‘Celos y emociones: Factores de la relación de pareja en la reacción ante la infidelidad’:

“É provável que o ciúme ocorra em resposta à ameaça de um rival que é considerado superior pela pessoa ciumenta em aspectos que são importantes para o seu autoconceito”.

Ou seja, um ser humano ciumento desenvolverá este sentimento por alguém que julga ser superior a ele. Com isso, é criada aquela sensação de inferioridade e achar que seu companheiro possa justamente se interessar por seu rival por ele demonstrar ‘ser melhor’ que você.

A imaginação chega ao ponto de pensar que o parceiro está dando mais atenção a quem denominamos de rival.

Pequenos detalhes

Muitos não conseguem identificar que é ciumento até realmente acontecer e desenvolver os ‘sintomas’ acima.

É imaginar casos de traição até, em que o parceiro realmente fica com outra pessoa. Porém, você não viu e não tem prova alguma desta relação. É algo que está instalado unicamente em sua mente. É importante neste caso perceber que o problema está dentro de você e não no outro.

No entanto, pode acontecer sim da pessoa quem você se relaciona se apaixonar por outra. Hoje em dia é difícil alguém levar uma relação adiante por tantos anos, por exemplo. É preciso entender aqui também que este fato não tem a ver exclusivamente com você e sim que seu companheiro simplesmente deixou de querer ter um relacionamento com você.

Reações ciumentas

Quando estamos com ciúme de rival, primeiramente desenvolvemos uma raiva por esta pessoa. Mas também podemos criar raiva do nosso próprio parceiro.

Estas sensações dizem respeito ao medo que temos de perder a pessoa amada. Também é instaurado um pensamento de que o parceiro é quem cria tudo isso para nos irritar.

Além disso, chega o ponto em que é identificado o tal sentimento de posse e propriedade em relação a alguém. Aquela velha história, a pessoa diz que ama o companheiro e em troca ‘exige’ que o mesmo lhe dê atenção exclusiva. E esquece que quem ama de verdade quer a felicidade do outro. Não existe posse ou obrigação.

Ser feliz consigo mesmo primeiro

Alguém que não sabe estar em sua própria companhia, que sempre precisa de outra pessoa para ser feliz, consequentemente pode desenvolver um sentimento de posse, o que já sabemos que não é nada saudável.

Portanto, é importante elevarmos nossa autoestima e desenvolvermos mais amor próprio. E se perceber que algo em você não está legal, procure ajuda ou tente entender por que está assim? O que pode fazer para melhorar em relação a isso? Questione-se.

*Foto: Divulgação

curta! 😉
error

Como reconhecer os sintomas de depressão na terceira idade

como reconhecer os sintomas de depressão na terceira idade

A expectativa de vida dos idosos vem crescendo a cada ano e com isso, alguns problemas tornam-se mais recorrentes, entre eles: a depressão na terceira idade.

Muitos deles vivem sozinhos e não tem ninguém para conversar diariamente e passam boa parte deste tempo sem companhia. As visitas de parentes nem sempre são regulares.

Portanto, quando as pessoas com mais de 60 anos começam a ficar mais reclusas e tristes, os mais jovens acham que isso são coisas da idade e que são comuns nesta etapa da vida.

Porém, psicanalistas e psicólogos alertam para que essas reações não sejam enxergadas como normais. Eles devem ser encarados como sinais de problemas com ansiedade e depressão.

Estar atento à saúde mental

Em uma entrevista durante o evento “Congress on Brains Behavior and Emotions”, ocorrido no dia 6 de junho, em Brasília, o psiquiatra Filipi Leles, doutor em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Minas Gerais, afirmou:

“Precisamos desmitificar isso. Não comer direito, ficar recluso e ter uma noite mal dormida não fazem parte de um envelhecimento normal”.

Ainda de acordo com o especialista, o idoso que vive só não significa que vai ficar doente. No entanto, é preciso estar atento sobre os cuidados com a saúde mental.

Estudos

Mesmo que não tenha estudo aprofundado e estatístico que confirme o aumento da ansiedade e depressão na terceira idade, discutir este tema é fundamental nos dias atuais. Pois estas reações demonstradas pelos mais velhos podem estar associadas ao desenvolvimento de demência. Mesmo que não tenha vindo a público uma análise sobre esta questão.

Contudo, não se pode esquecer o fato que algumas pessoas nesta idade já possuem problemas neurodegenerativos. Isso significa que elas podem estar mais predispostas a desenvolverem também doenças de cunho emocional.

Como avaliar se um idoso possui transtornos mentais?

Sobre isso, Leles ressalta:

“Diferentemente do jovem ou adulto, o idoso não vai se queixar de tristeza ou falta de prazer em fazer as coisas”.

Portanto, os idosos não costumam se queixar sobre falta de algo. Nesta faixa-etária, eles costumam reclamar de dores físicas e apresentarem falta de memória, problemas para dormir e comer.

É diferente dos jovens quando estão com depressão e apresentam sintomas mais específicos, ou seja, mais fáceis de serem percebidos.

Como precaver?

Os familiares e amigos podem levar os idosos para passeios ao ar livre, cinema, almoços e jantares, por exemplo. Pois, estar em convívio com outras pessoas é muito importante para estimular a capacidade cerebral da pessoa na terceira idade.

Além disso, os idosos também podem praticar atividade física de acordo com suas limitações e que seja realizada em grupo.

Existem centros de convivência para a terceira idade que podem ser bastante proveitosos pela oportunidade deles estarem com pessoas da mesma faixa-etária.

Por fim, ter um animal doméstico em casa pode animar o ambiente e fazer com que o idoso sinta-se útil em cuidar do bichano, além de um fazer companhia ao outro.

Fonte: VivaBem – UOL

*Foto: Divulgação

curta! 😉
error

[Infográfico] Saiba como praticar o mindfulness

Há 1 ano uma prática de meditação cruzou o meu caminho, o mindfulness , técnica que ajuda a melhorar a saúde e a concentração na prática de esporte, no ambiente profissional e nos estudos. A ideia é conseguir atenção total no presente, em cada som, sensação, cheiro, pensamentos, ou seja, ter consciência de si mesmo.

A mente de pessoas ansiosas, por exemplo, acabam tomando vida própria e levando a pensamentos fantasiosos do futuro ou vivendo em eventos do passado. Essa prática pode auxiliar nesses quadros, vale lembrar que pessoas com problemas de saúde mental devem usar esse método apenas como complemento, é importante procurar ajuda profissional.

Para começar a praticar esse tipo de meditação, você precisa ter um propósito, pode ser a atenção total em sua respiração, lembrar de algum momento da sua vida ou se concentrar em uma emoção. Pessoas que levam consigo essa prática apreciam o aqui e agora, vivem mais intensamente, reduzem dores crônicas, sentem menos estresse e possuem inteligência emocional mais desenvolvida.

Então, respire fundo e comece a praticar o mindfulness com esse infográfico!

alexsander-queiroz-silva-mindfulness

 

curta! 😉
error

Você sabia que existem 8 tipos de inteligência?

alexsander-queiroz-silva-8-tipos-inteligencia

Podemos dizer  que a inteligência emocional é uma nova etapa nos estudos ligados ao desenvolvimento da mente, uma faculdade tão complexa que não sabemos quando chegaremos ao fim de sua complexidade. Lançada em 1995, a obra Inteligência Emocional de Howard Gardner, psicopedagogo cognitivo educacional, abriu questionamentos importantes sobre a inteligência ser muito mais do que apenas o famoso QI.

Entre as teorias de Gardner destaca-se as Inteligências Múltiplas, onde o psicólogo defende que todos têm tendências individuais, ou seja, algo que gostamos e somos mais competentes e que essas tendências podem ser englobadas em outros tipos de inteligência.

Ao todo existem 8 tipos de inteligência, porém, uma pessoa normalmente costuma desenvolver no máximo duas. Cada indivíduo já nasce com determinado talento, mas ao longo da vida, e por conta das suas experiências, pode contribuir para o desenvolvimento dos demais.

Conheça os 8 tipos de inteligência

alexsander-queiroz-silva-tipos-inteligencia

Linguística – O indivíduo que desenvolve essa inteligência costuma ter talento para leitura, escrita e fala. Se você tem seu ponto forte na inteligência linguística irá se desenvolver como escritor, poeta, jornalista, entre outras carreiras.

Musical – Pessoas com essa inteligência compreendem com facilidade os sons. Músicos e produtores, por exemplo, conseguem transmitir ideias e sentimentos através do som.

Lógico-matemática – Mais conhecida pela ciência pelos testes de QI, é a inteligência do universo lógico. Pessoas com esse talento possuem facilidade com números e fórmulas.

Espacial – O indivíduo com esse senso mais forte consegue trabalhar com imagens e compreendem construções sem fórmulas, apenas olhando para elas. Pessoas com essa inteligência costumam se desenvolver profissionalmente como pintores e arquitetos.

Corporal-cinestésica – Pessoas que conseguem projetar o próprio corpo para produzir algo ou resolver algum problema. Se você utiliza o corpo para expressar ideias e sentimentos a sua inteligência mais forte é a corporal-cinestésica e pode se desenvolver como atleta ou ator, por exemplo.

Interpessoal – Pessoas que trabalham bem em grupo e possuem habilidade de liderança têm inteligência interpessoal. Exemplos: políticos, professores, vendedores, entre outros.

Intrapessoal – Está ligada a pessoas com inteligência emocional desenvolvida, que têm controle de suas emoções e equilíbrio interior. O indivíduo com esse senso mais forte costuma se desenvolver como psicólogo, sociólogo ou filósofo.

Naturalista – Pessoas com maior sensibilidade de lidar com a natureza e animais, entre eles estão: ecologistas, biólogos, veterinários, índios.

curta! 😉
error