“Acalme-se”: técnica ajuda pessoas com crises de pânico

O coração acelera, a mão começa a formigar, tremer, derrepente você é tomado por uma sensação de falta de ar e quase morte, que muitas vezes não tem origem nem explicação. Esse é o pico de uma crise de ansiedade ou de pânico que se aproxima e, normalmente, o caminho mais fácil ou, na verdade, a única opção que você enxerga no momento é tomar o Frontal ou o tão conhecido Rivotril. Envolto ao sentimento de culpa que não passa, não se sabe o que é pior, a crise ou o efeito “grogue” que o medicamento deixa.

Para te ajudar a fugir um pouco dos psicotrópicos, vou te ensinar uma técnica comportamental conhecida como “Acalme-se”. Ela auxilia no controle das crises, especialmente no início do tratamento quando elas são mais frequentes. Cada letra corresponde a uma ação que você pode ter diante da crise, nesse sentido, começamos pelo “A”, que significa a aceitação do problema, muitas vezes não queremos encará-lo como algo real, e isso faz com que a cura fique cada vez mais longe. Quando todos os sintomas começarem, aceite a chegada deles e entenda que tudo vai passar.

A letra “C” significa contemplar tudo o que está a sua volta, ou seja, na hora da crise você acaba prestando mais atenção na tremedeira ou na respiração mais forte, dando mais valor para os sintomas do que para as situações que estão acontecendo ao seu redor. A dica é deixar acontecer com o seu corpo o que tiver que acontecer, eu sei que é muito difícil, tente não se julgar, você sabe que tem um problema e ele não te representa como indivíduo.

Logo após vem o segundo “A”, que significa agir de acordo com a sua ansiedade, não se deixe paralisar pela crise, ou seja, tente manter a sua rotina apesar dela. Eu sei que muitas vezes os sintomas físicos são intensos, mas dentro dos seus limites, não deixe esse quadro dominar a sua rotina. Vale ressaltar que toda crise de pânico tem uma duração específica para acontecer, ou seja, ela atingi um pico e após um certo tempo vai reduzindo.

Pela ordem, agora nós temos o “L”, que quer dizer liberar o ar de seus pulmões bem devagar. É natural durante uma crise acontecer a hiperventilação, ou seja, a respiração rápida ou muito profunda, o correto nesse momento é inspirar normalmente, soltando o ar bem lentamente até o esvaziamento completo dos pulmões. O “M” da técnica “Acalme-se” significa manter os passos anteriores, ou seja, repita sempre que preciso todas as letras vistas até aqui.

O penúltimo “E” quer dizer examine seus pensamentos, ou seja, verifique se você não está antecipando situações difíceis que, muitas vezes, não tem chances de acontecer. Por exemplo, toda vez que você tem uma crise de pânico você treme e tem medo que as pessoas reparem e fica só pensando nisso, mas muitas vezes isso nem passou pela cabeça de ninguém, na verdade, pode ser que as pessoas nem repararam que você estava em uma crise. Reflita melhor quando esses pensamentos surgirem e tente repetir que é apenas uma crise e que ela vai passar.

A letra “S” quer dizer sorria, você consegue passar por toda a sua rotina com esforço e dedicação, apesar dessa doença, por isso, se permita sorrir mais. E para fechar temos o “E”, que significa esperar o futuro simplesmente como ele tiver que ser, sem medo, a ansiedade infelizmente faz parte da vida, mas você está preparado para ela.

 

 

curta! 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *